Análise a The Last of Us Remastered

The Last of Us: Remastered – Análise

Capa de The Last Of Us Remastered
Data de Lançamento
30 Julho, 2014
Estúdio
Naughty Dog
Género
Acção aventura e sobrevivência
Plataformas
PS4

Não podia estar mais empolgado por escrever esta análise, primeiro porque passou pouco mais de um ano desde que tinha terminado Last of Us na PlayStation 3 e se hoje estão a ler esta análise é porque voltei acompanhar a aventura de Joel e Ellie em The Last of Us: Remastered mas desta vez na mais recente consola da Sony, a PlayStation 4.

Tenho que ser sincero, sou um seguidor da Naughty Dog e dos seus trabalhos realizados até hoje, é um estúdio que não acredito que consiga desiludir, os seus jogos são preenchidos com emoção e máximo detalhe, Last of Us não fica atrás.

Podemos começar esta análise indo directos ao assunto. The Last of Us: Remastered para quem não sabe, é uma adaptação do título de sucesso – Last of Us, da PlayStation 3 para a PlayStation 4. Com esta mudança a Naughty Dog trabalhou no sentido de adaptar os visuais para a nova geração de consolas incluindo ainda outras novidades como o DLC Left Behind e todo o restante conteúdo que já tinha sido disponibilizado na PlayStation 3 como um novo modo de dificuldade e novos mapas multi-jogador.

Já passou um ano desde a nossa análise à versão da PlayStation 3 e podemos aproveitar  e citar o que é a introdução ao ambiente e história de Last of Us:

Todo o jogo centra-se em Joel e Ellie. E é aqui que nós jogadores nos conseguimos meter na pele dos personagens e imaginar como seria viver naquele clima, naquele sufoco onde as decisões são pesadas e muitas vezes não dependem de nós. joel O Joel está chateado! Joel, um homem perseguido pelos fantasmas do seu passado, luta pela sua sobrevivência com um sentimento de rancor e revolta. Joel assistiu à mudança do mundo e habitou-se a matar a sangue-frio sem pensar duas vezes, tornou-se um homem violento, insensível. Por outro lado temos Ellie que nos tenta conquistar com a sua coragem e irreverência.

The Last Of Us Remastered Analise 1

Apesar do tempo que passou, re-jogar Last of Us foi como se tratasse da primeira vez que o estava a jogar, aquela sensação de sufoco pela sobrevivência, a profundidade com que os personagens nos inserem no ambiente do jogo, as salas escuras, a possibilidade de viver num mundo afundado por um vírus devastador que praticamente levou a espécie humana à extinção.

De início estava céptico, sabia que ia gostar do jogo mas será que a actualização visual seria suficiente para me fazer jogar de novo Last of Us? A verdade é que em termos visuais, The Last of Us: Remastered podia ser mais. É claro que a Naughty Dog teve pouco tempo para trabalhar nesta adaptação, isso é visível por quem jogou nas duas plataformas. Já vimos jogos a sofrerem este tipo de adaptação e a terem um impacto visual maior, como por exemplo: Tomb Raider Definitive Edition, no entanto a verdade é que Last of Us já tinha uns visuais que excediam a qualidade da sua geração, um salto maior agora para a PlayStation 4 não era nada fácil. No entanto seria de esperar alguns detalhes melhores, muitas texturas estão esticadas, certas secções do jogo sofrem de falhas de iluminação, seja em excesso de luz ou por haver pouca luz, os personagens e elementos ficam muito lisos e sem o detalhe que era merecido nesta adaptação. 

The Last Of Us Remastered Analise 2

Este é o único aspecto que podemos tirar como negativo desta experiência, mas atribuir o título de negativo também não seria o mais correcto, é sim um aspecto que podia ser melhor. Last of Us é um jogo com uns visuais fantásticos, ambientes únicos, personagens com um detalhe fabuloso e uma atmosfera que não se encontra em muitos jogos, apenas era esperado um pouco mais de cuidado numa adaptação na PlayStation 4.

Re-jogar Last of Us foi especial, citando a nossa anterior análise podemos fazer uma introdução aos ambientes:

O cenário é uma componente que também fortalece a narrativa, concentrando a experiência a ser ainda mais cinemática. Vamos dar por nós a vasculhar divisões, casas inteiras, gaveta a gaveta e muitas vezes a sair de mãos abanar. Cada espaço que atravessamos está cuidadosamente representado e conta por si mesmo uma história. Uma caravana abandonada com uma fotografia de família na cómoda deixa-nos a pensar:  “Quem é que aqui viveria? O que lhes terá acontecido”. Por vezes conseguimos saber mais sobre cada espaço através dos coleccionáveis que estão preparados para encontrarmos sejam notas soltas ou fotografias. Depois de explorados os cantos todos, vão querer mesmo ler a história de por quem já lá passou.

O ambiente é então um dos pontos fortes nesta aventura, compensado também pela forte banda sonora de Gustavo Santaolalla, sombria, triste mas com uma ponta de esperança em cada nota que solta. Muitos cenários vão deixar-nos colados ao ecrã a admirar a solidão a que estamos sujeitos e a imaginar o que poderá estar atrás da porta que estamos prestes abrir.

A mecânica de jogo essa é igual à presente em Uncharted, estando o jogo assente no mesmo motor. Aqui jogamos maioritariamente com Joel, que graças à sua habilidade para ouvir os recantos das divisões, consegue antecipar os inimigos e de forma furtiva tirar o maior número de inimigos da frente possível.

The Last Of Us Remastered Analise 3

O que muitos perguntam é: já joguei o jogo na PlayStation 3, gostei, será que o devo ter agora na PlayStation 4? Não é mais do mesmo?

A resposta é…sim e não. É verdade que na história nada muda (a menos que ainda não tenham jogado o DLC Left Behind) mas esta versão Remastered deve ser jogada por quem já o terminou e especialmente por quem nunca tinha jogado Last of Us.

Se já terminaram e gostaram, certamente vão querer relembrar a aventura e desta vez na vossa PlayStation 4, os gráficos não sofrem uma actualização muito significativa mas o jogo já tinha um aspecto excelente e na PlayStation 4.

O jogo procura sempre atingir as 60 frames por segundo. Para além do visual, inclui ainda todos os conteúdos que já saíram e um multi-jogador mais completo. Por ser um adaptação a maioria das lojas tiveram isso em conta e por isso o preço reduzido também o torna ainda mais obrigatório na nossa biblioteca de jogadores.

The Last Of Us Remastered Analise 4

Se ainda não tiveram oportunidade de o jogar corram já à próxima loja e deitem uma mão à primeira cópia que encontrarem – Last of Us Remastered é essencial na vossa colecção PS4, é intenso, emotivo e uma obra de arte da Naughty Dog onde apenas nós, os jogadores podemos estar agradecidos.

A história de Last of Us não deve ser muito abordada por nós numa análise, ia estragar-vos grande parte da experiência, sendo esse o ponto principal do jogo, cabe a vocês atravessarem as ruas abandonadas na companhia de Ellie, enquanto controlam Joel.

É ainda importante realçar a dobragem portuguesa que se encontra também presente, como tem vindo a ser habitual nos títulos da Sony.

Fica o convite, se já jogaram na PS3 e não estavam muito convencidos nesta edição, na nossa opinião devem aproveitar. O seu preço em conta e todo o conteúdo que traz aliado a um excelente trabalho da Naughty Dog que merece ser revisto tornam-no um título obrigatório. Se não jogaram, não deixem passar esta oportunidade, não se vão arrepender, especialmente numa altura onde a PlayStation 4 ainda está a começar a construir o seu catálogo de jogos. 

Positivo
Uma aventura fantástica agora ao alcance da PS4
Um clássico Naughty Dog com uma narrativa de tocar no coração
Longevidade e personagens que nos seguram do início ao fim
Para um jogo focado na campanha, consegue acompanhar com um online competente
A melhorar
Com a chegada à PS4, teria sido melhor ver mais melhorias para além da framerate e DLC presente
9
Mais histórias
Destaque de Ghost of Tsushima
Reveladas datas de lançamento para The Last of Us Parte II e Ghost of Tsushima