Análise a Erica

Erica – Análise

Um filme contado por vocês

Capa Erica
Data de Lançamento
19 Agosto, 2019
Estúdio
Sony Interactive Entertainment
Género
Live-action
Plataformas
PS4

A Gamescom 2019 trouxe uma surpresa para os jogadores PlayStation: Erica estava disponível para jogar assim que a conferência terminou.

Num género pouco comum, Erica veio trazer uma lufada de ar fresco e mostrar que precisamos de mais jogos do género.

Temos que voltar atrás no tempo para nos lembrarmos de Erica, mais concretamente a 2017, em directo da Paris Games Week quando o jogo foi oficialmente revelado.

Desde então, pouco ou nada se soube e o jogo ficou nas sombras até que numa acção de surpresa, a Sony confirmou que Erica já estava disponível para descarregar durante a passada Gamescom.

Erica é um jogo FMV (Full Motion Video), ou seja, toda a narrativa foi pré-gravada e neste caso, é baseado em pessoas reais, com poucos efeitos especiais a serem envolvidos.

Por ser um jogo com controlos bastante básicos, é tudo feito através do nosso touchpad do DualShock, a Sony aproveitou e teve a brilhante ideia de incluir as funcionalidades PlayLink em Erica, para desta forma, tentar também manter este produto na luz.

E é realmente com o PlayLink que Erica ganha força e se torna uma experiência muito mais agradável. Desaconselhamos de todo o uso do DualShock para jogar este jogo, arruina a experiência e causa alguma frustração tendo em conta a sua sensibilidade.

É se calhar o maior ponto negativo nesta análise – que pode ou não, ser visto como negativo uma vez que podem simplesmente saltar o uso do DualShock e começarem logo em PlayLink.

Erica 01

Assim que começamos sabemos que vamos entrar num carrossel de emoções. Está nas vossas mãos o destino da jovem Erica, que vai viver neste thriller bastante sombrio, uma montanha russa de emoções e decisões que vão culminar num final que está só e apenas só, nas vossas mãos.

Com isto, e como é normal neste tipo de jogos, cada decisão que tomam tem um impacto directo na narrativa e claro, o próprio final do jogo pode variar de jogador para jogador.

Na pele de Erica temos Holly Earl, que faz um papel fantástico e super constante ao longo do jogo, destacando-se claramente dos restantes actores que não conseguiram estar ao mesmo nível.

Erica 02

Como já tínhamos dito, Erica é um thriller supernatural repleto de momentos de tensão e segredo e um título obrigatório para quem gosta da temática paranormal.

Não entrando em detalhes da história, porque com isso iríamos estragar a vossa experiência, só vos podemos dizer isto: se gostam de jogos com uma boa escrita, uma narrativa controlada por vocês e procuram um género diferente, com esta temática de thriller, então Erica é o jogo para vocês.

Sozinhos ou até acompanhados, Erica consegue mostrar a força do género e afirma-se como o melhor título PlayLink até ao momento.

As gravações das cenas parecem por vezes inspiradas em Kubrick, com uma tensão que nunca é quebrada e a banda sonora está muito boa, tendo sido composta por Austin Wintory (Flow, Journey).

Em termos de duração esperem um jogo algo curto, cerca de 2 a 3 horas de duração mas não se esqueçam que há uma motivação para quererem repetir umas poucas de vezes até terem os vários finais e para perceberem qual o impacto das vossas acções.

Só se podia pedir mesmo melhores controlos quando jogando com o DualShock e que mesmo não sendo tarefa fácil, que todos os actores estivessem ao nível de Holly Earl.

Erica 03

Se já jogaram títulos como Heavy Rain, Detroit Become Human, ou outro jogo da Quantic Dream, vão encontrar aqui muitas semelhanças.

Erica encontra-se disponível na PlayStation Store por apenas 9.99€, um preço muito em conta por toda a experiência que nos oferece e que inclusive, pode ser jogado até por quem não está habituado a consolas.

Sozinhos ou até acompanhados, Erica consegue mostrar a força do género e afirma-se como o melhor título PlayLink até ao momento.

Quando temos o controlo de um filme
Erica encontra-se disponível na PlayStation Store por apenas 9.99€, um preço muito em conta por toda a experiência que nos oferece e que inclusive, pode ser jogado até por quem não está habituado a consolas.
Positivo
O melhor título PlayLink até ao momento
Suspense do primeiro ao último minuto
Obrigatório para fãs de live-actions
A melhorar
Só se podia pedir mesmo melhores controlos quando jogando com o DualShock
Não sendo tarefa fácil, é uma pena que nem todos os actores estivessem ao nível de Holly Earl
8
Mais histórias
Dragon Ball Fighter Z
Master Roshi junta-se ao elenco de Dragon Ball FighterZ